Vieira Tavares

Quais são as principais modalidades de investimentos para Startups?

Quais são as principais modalidades de investimentos para Startups?

Para entendermos sobre as principais modalidades de investimentos para Startups é necessário, inicialmente, entendermos: o que é uma “Startup”?

Startup é um modelo de empresa constituída por um grupo de pessoas e que se encontra em estágio inicial de desenvolvimento de uma ideia inovadora e incerta perante o mercado. Devido a essa situação de incerteza e risco para que a ideia dê certo é que se faz necessário o recebimento de investimentos durante e após o desenvolvimento do negócio, considerando que sem capital é impossível conquistar o modelo de negócios mais adequado para o sustento da empresa.

A busca de investimento é uma ferramenta para os empreendedores como oportunidade de levantar capital para o desenvolvimento e sustentabilidade da ideia, já para os investidores as startups são consideradas meios de diversificação de aplicações.

Abaixo listamos os principais tipos de investimentos que estão presentes nas Startups:

1 – BOOTSTRAPPING:

Essa modalidade é o primeiro investimento das Startups extraído do(s) próprio(s) bolso(s) do(s) empreendedor(es) para que a ideia possa começar a sair do papel. O bootstrapping pode ser também uma metodologia contínua de operação da Startup, pois diversas empresas optam ainda pelo investimento através de recursos próprios após a primeira rodada de investimento.

2 – CAPITAL SEMENTE (SEED MONEY):

Modalidade de investimento destinado à empresas, startups e projetos iniciantes que estão em fase de concepção, planejamento ou até que já possuem produtos ou serviços lançados no mercado com algum faturamento, onde um grupo de investidores aportam um determinado valor, geralmente superior a R$ 500 mil e inferior a R$ 5 milhões, para ajudar na sustentabilidade da empresa com despesas iniciais durante o desenvolvimento do negócio. Considerando a incerteza do negócio, o capital semente é organizado por meio de fundos de investimentos e divididos entre empresas iniciantes. Além de os investidores de capital participarem das atividades da empresa e estruturação dos negócios, esses também são considerados sócios investidores com base na Lei Complementar 155/2016.

3 – INVESTIMENTO-ANJO:

Investimento realizado por pessoas físicas, que utilizam o seu capital próprio, em empresas que estão no seu estágio inicial e que tem alta chances de crescimento e aceitação perante o mercado. Além do investimento financeiro, o investidor-anjo também apoia o empreendedor e repassa sua experiência e rede de relacionamentos para aumentar as chances de sucesso e visibilidade, assim podendo receber novos aportes de outros investidores O investimento-anjo é realizado, geralmente, por aportes de até R$ 500 mil e o investidor não é considerado necessariamente como um sócio, com base na LC 155/2016, mas possui possibilidade de obter a reversão para uma participação societária.

4 – VENTURE CAPITAL:

Essa modalidade de investimento através de fundo busca startups que já ultrapassaram o seu estágio inicial e que já estão um pouco mais consolidadas e, com a consolidação, conseguem comprovar alto potencial de crescimento acelerado e rentabilidade para os envolvidos. Esses investimentos podem variar entre R$ 2 milhões e R$ 10 milhões e, após o recebimento do investimento, o fundo investidor tem o direito de se tornar sócio da empresa.

5 – PRIVATE EQUITY:

Como outro tipo de investimento para startups ligado a fundos, o Private Equity são investimentos obtidos através de fundos que se envolvem nos processos de fusão e aquisição de grandes empresas.

Esses investimentos estão relacionados a valores superiores a R$ 10 milhões e, portanto, considerando a apuração de menor risco, as empresas escolhidas são aquelas que já conquistaram parte do mercado e possuem bom faturamento e o próprio capital (ou próximo a abri-lo). A organização de documentos e procedimentos que nortearão a empresa é, na maioria das vezes, a chave para o recebimento de investimentos. A cada novo investimento é de extrema importância a elaboração de documentos que determinem a relação entre investidor(es) e a Startup, assim como preveja todas as responsabilidades e direitos que o(s) investidor(es) receberão após a participação na empresa.

Caso tenha alguma dúvida sobre o conteúdo e as modalidades de investimentos, entre em contato conosco através do e-mail vieiratavares@vieiratavares.com.br

Artigo escrito por: Nicolli Parra.

Graduanda em Direito pela Universidade Metodista de São Paulo. Especialização em Legalização de Empresas pelo Sindicato dos Contabilistas de São Paulo.

 

Os artigos e notícias reproduzidos neste blog são tanto no conteúdo quanto na forma, de inteira responsabilidade de seus autores. Não refletem, necessariamente, a opinião integral do escritório Vieira Tavares Advogados.

Fechar Menu